PROGRAMAÇÃO

Igreja São Francisco de Paula – 2019 © Todos os direitos reservados

INSTITUCIONAL

COMO CHEGAR

CONHEÇA TAMBÉM

Desenvolvido por:

VISITA VIRTUAL

Faça uma visita à Capela online e explore cada espaço com a tecnologia 3D

Atividades na Igreja São Francisco de Paula

Nosso padroeiro

São Francisco de Paula

Quem já atravessou o estreito de Messina terá perguntado por que um dos ferry-boat traz o nome na proa: são Francisco de Paula. Há cinco séculos um frade muito magro pelos jejuns e longa viagem pediu em vão a todos os barqueiros o favor de o transportarem do outro lado. Como todos se recusassem ele estendeu o seu velho manto sobre a água e velejou para o outro lado até o porto de Messina.

O prodígio valeu ao frade a fama de milagroso e no futuro o título de santo padroeiro dos marinheiros. A vida toda deste grande santo está repleta de milagres. Viveu num ambiente de honrarias e ambições, mas não se corrompeu. Sua fama ultrapassou os Alpes e o próprio rei da França, Luís XI, exigiu que o papa lhe mandasse o santo calabrês para curá-lo de uma grave doença.

O humilde frade, avisado por um mensageiro do papa, saiu com destino a Paris. O soberano não queria morrer, mas o santo conseguiu reconciliá-lo com Deus e fazê-lo aceitar a morte. Antes de morrer, Luís o nomeou diretor espiritual do seu filho e sucessor, Carlos VIII.

Francisco nasceu na Calábria em 1416. Foi o mais jovem fundador de Ordem religiosa. Aos 13 anos vestiu o hábito franciscano, mas depois de dois anos já havia desaparecido. Após alguns anos um caçador o descobriu. A fama da santidade e dos milagres atraiu numerosos jovens desejosos de seguir seu exemplo. Fundou o mosteiro de Cosenza de são Francisco de Assis, os Mínimos.

Aos três votos de pobreza, castidade e obediência acrescentou um quarto, o do jejum quaresmal, da quarta-feira de cinzas até sábado santo: pão, peixe, verdura e água. As duras penitências não lhe abreviaram a vida: 91 anos. Morreu na sexta-feira santa, 2 de abril de 1507. Foi canonizado em 1519, apenas a doze anos da morte.

Extraído do livro: Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.